o_anarquismo_quebrando_as_correntes1*O anarquismo é geralmente identificado como caos, por ser uma doutrina política defensora da abolição de qualquer forma de governo formal; mas não é bem isso – Vândalos justificam seus atos como anarquistas, onde acabam com a pouca imagem do anarquismo – A sociedade criou o anarquismo “bagunçado”, baseada nos atos de pessoas sem escrúpulos.
A palavra “anarquismo”, etimologicamente falando é formada pelo sufixo de archon, que em grego significa governante, e an , que significa “sem”. Ao pé da letra, anarquismo significa sem governante. Como o próprio nome diz, o anarquismo vai contra qualquer tipo de governo, pois os mesmos são desnecessários, violentos e nocivos. Para o anarquismo, toda a população pode viver voluntariamente, vivendo em harmonia.
Mesmo o anarquismo sendo contraditório ao sistema capitalista, não devemos confundir o anarquismo com o individualismo, pois como já foi dito, a sobrevivência surge da cooperação e aceitação de toda a comunidade voluntária.
Segundos alguns reconhecidos anarquistas, os órgãos governamentais acabam inibindo a tendência humana de cooperar com o resto da sociedade. A tendência humana de cooperação pode ser inexistente, mas os órgãos governamentais acabam até mesmo com as tentativas.
Como podemos perceber, uma sociedade anarquista é estruturada e organizada, só que esta organização depende da autodisciplina e cooperação voluntária, e não uma decisão hierárquica.
A sociedade cria uma construção artificial, na qual a ordem é imposta de cima para baixo, como em uma pirâmide. Já no anarquismo, a sociedade não seria uma estrutura e sim um organismo vivo, que cresce em função da natureza.
Por este motivo, os anarquistas abominam a formação de qualquer partido político, pois estes acabam com a espontaneidade da população, exercendo alguma forma de poder sobre as mesma.
Criticando o poder do Estado, acontece a tentativa de inverter a pirâmide de poder, formando uma sociedade descentralizada procurando estabelecer uma relação mais direta possível. Começando pelos núcleos vitais da civilização, como escola, ambiente de trabalho, bairros, etc. O importante é manter a participação e aprovação de todos. Os anarquistas temem os políticos, pois estes usam a paixão do povo para seu próprio bem.
Tudo fica claro: a liberdade e a igualdade só serão conquistadas com o fim do capitalismo e do Estado que a defende. Os anarquistas defendem a teoria que os recursos naturais da terra pertencem a todos, logo as propriedades privadas são erradas – Uma vez existindo apropriação para uso pessoal, é roubo.
Se há anarquistas que praticam atentados políticos, não é em função desta sua posição, mas sim uma resposta aos abusos, perseguições e à opressão sofrida. Não são, portanto, atos anarquistas e sim de revolta inevitável por parte dos explorados contra a violência dos altos escalões.
Se toda a população não fosse tão alienada, poderíamos sonhar com mudanças sociais, mas isto está bem longe de acontecer.
A mudança Capitalismo / Anarquismo seria um choque para a sociedade, logo acabaria. Em outro ponto de vista, mesmo com o anarquismo em prática, o egoísmo humano iria destruí-lo, e certamente o capitalismo voltaria. A sociedade já está completamente dominada, infelizmente não oferece oportunidades de mudança.

Por Henrique Guedes

Anúncios