1267161433_c11eb588f4[1]

No texto “A Adolescência relatada na mídia televisiva”, os programas que a autora Maria da Graça Marchina Gonçalves, no capítulo “Concepções de Adolescência Veiculadas pela mídia televisiva: um estudo das produções dirigidas aos jovens” do livro “Adolescências Construídas”, de Sérgio Ozella não foram apontados. A seguir os programas analisados e suas características:

TV Globo

malhacao221[1]Malhação (no ar): Em relação ao cenário, locais típicos de adolescentes de classe média fazem os temas seguirem, como escolas, bares, clubes e casas de classe média; decorações “da hora” também fazem parte do conjunto de informações falsas da Globo.
Quando o assunto é temas/mensagens, o programa parece não ter limites. Temas considerados clássicos dos adolescentes, como virgindade, assédio sexual, sexo, drogas entre outros referentes a atualidade são tratados. Temas para alguns polêmicos, temas que brincam com os diversos pontos de vista. Acontece que um processo em que posições dicotômicas em torno do tema ficam perdidas, pegam um atalho para a denominada mudança de assunto. Os resultados são mensagens “politicamente corretas”, como a da importância de ser responsável nas atividades para alcançar autonomia.
A maioria dos personagens enquadrados não de classe média, mas são apresentados como indivíduos com pensamentos diferentes. Os comportamentos dos jovens são variados, mas tendem a uma padronização coerente com atitudes politicamente corretas – manipulação. Típico da Rede Globo.
Em relação à aparência, os personagens vestem roupas “comuns” de jovens, limitados a um certo padrão médio. Aparecem minorias estéticas ou de etnia, mas ou são absorvidas pela média ou exibidas de forma estereotipada.

TV Cultura de São Paulo

Especial_40_ano_Tv_Cultura[1]Turma da Cultura (no ar): O cenário é sempre o mesmo: espaço jovial, lugar para a banda convidada (melhores que as do Faustão), público e entrevistado.
Na categoria assunto, a diversidade pode ser observada. Os temas são voltados para questões sociais ou fatos jornalísticos da semana. Para os jovens, assuntos como vestibular e escolha profissonal são bem trabalhados. As mensagens são informativas, a fonte é sempre um especialista. O debate que ocorre é totalmente aberto, não se fecha a questão. O programa privilegia a informação e opiniões diversas.
O programa em questão caracteriza-se como programa informativo e formador de opinião. Essa é a velha TV Cultura!

MTV brasileira

JoaoGordo-333-240809-mtv[1]Gordo a Go Go (fora do ar): é um programa de entrevista em que o apresentador João Gordo faz perguntas sem censura aos seus convidados. Na visão da sociedade, trata-se de um programa com temas pesados, sem censura, com conteúdos sexuais ou com utilização dos bons e velhos palavrões. Há muita discussão e pouca informação; a fonte para as opiniões são os convidados e o João Gordo (João Gordo uma fonte de informações? Putz!). As visões de adolescente transmitidas são inusitadas, indo dos “politicamente corretos” aos “transgressores”.

A partir destes programas, a autora levantou dados sobre a adolescência. Desculpe-me pela falha de amador.

__________________________________________________________

Referências Bibliográficas:

GONÇALVES, Maria da Graça Marchina. In: OZELLA, Sérgio. Adolescências Construídas. Concepções de Adolescência Veiculadas pela Mídia Televisiva: um estudo das produções dirigidas aos jovens. Cortez Editora; GUEDES, Henrique C. Personalogia. A Adolescência relatada na mídia televisiva, outubro de 2009.

___________________________________________________________

Por Henrique Guedes

Anúncios