Esse ano, como todos os outros, foi marcado por acontecimentos dos mais diversos âmbitos. Fatos lamentáveis em ucharia.
Aprovação do projeto para a mudança ortográfica que entrará em vigor em 2012. Os políticos envolvidos no denominado Mensação continuam no poder. O Sarney, mesmo depois de todas as suas ações “ilegais” descobertas e divulgadas, continua na política, não foi cassado e é o presidente do Senado e o dedo que falta para o Lula. O caso Arruda foi apenas mais um. Foram gastos 2 Milhões em cadeiras para os políticos. A política brasileira é grandiosa.
A Secretaria da Educação manteve a retirada do ensino da filosofia e da arte do 3º ano do ensino médio, isso para não formar pensadores nem artistas. O ENADE conseguiu piorar, mostrou-se a prova ridícula que é e ainda fez apologia direta ao governo. O ENEM mais uma vez provou que não deve ser uma prova levada a sério. A educação do brasileiro agradece.
O diploma de jornalista perdeu o valor. A Lei do Ato Médico foi criada. Uma mulher com um vestido curto comprometeu o futuro de vários futuros profissionais, sem falar que rendeu para a mídia. Plutão não faz mais parte do sistema solar. Tem que ter coração forte.
O Funk Carioca quase assumiu o papel de MPB. A Maior cidade do país travou. O Jonas Brothers surgiu. O livro do Paulo Coelho virou filme no estrangeiro. Mais um ano sem a Carolina Dieckmann na Playboy. Já sinto pontadas no pâncreas.
O Zé Rodrix morreu. O tempo de trabalho para a aposentadoria aumentou. O Paulão não entrou no CQC. O NX Zero tocou uma música do Kiss. Foi aprovado o aumento na tarifa do ônibus. O Twitter foi criado. A espécie “Homo Shopping” surgiu e se desenvolveu de uma forma preocupante. Sim, é triste.
O Artigo 59 da Lei de Contravenções Penais ganhou poder em algumas cidades paulistas. O Acesso à cultura ficou mais difícil e mais caro. A revista Veja ganhou um prêmio do tipo “bom trabalho”. A Dengue perdeu no palitinho para a Gripe Suína. A Escola Livre de Teatro teve sua existência ameaçada. Foi criada a lei do diploma obrigatório para os nerds programadores. Ano do desemprego. Ano do último show do Joelho de Porco. A TV Cultura perdeu a vontade de ser a melhor emissora. O Lolla Palooza virou “balada” de emo. Foi criado o personagem “Freddie Mercury Prateado”. Foi criada “A Fazenda”. A Vanusa cantou o Hino Nacional. O vibrador da Hebe virou notícia. São Paulo virou piscina. Collor se tornou o presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal. Ano do Mensalão dos Panetones. O Brasil apoiou o programa nuclear iraquiano. Um ano solitário.
Acabou a “nostalgia”. Memória fraca. Quer ajudar?

Por Henrique Guedes

Anúncios