Um sorriso nem sempre é sinônimo de felicidade, às vezes é oxímoro por educação. A felicidade não é como um carro estacionado na garagem, disponível, constante, e sim a lotação que passa fora do seu horário. A felicidade não é um mistério, amigo, é um momento. A humanidade procura a felicidade de forma frenética, assim como quando perdemos a chave de manhã, quando estamos atrasados para o trabalho; a chave esteve durante toda a procura no nosso bolso, mas por desespero, não a achamos.

A felicidade é apenas a ausência da tristeza. A tristeza é eterna, já a felicidade, momentânea. A prova disso é a saudade. A saudade, por sua vez, é a vontade de eternizar uma felicidade passada. Estamos condenados a aceitar a tristeza como sentimento mor, a felicidade como um calmante, e a saudade como um vício. Buscamos respostas desnecessárias no colo em decomposição da existência. Um sorriso não basta. Corremos atrás da felicidade passada com nossa saudade, como cães famintos e carentes. Às vezes trombamos com outra felicidade, às vezes com um osso velho e sujo.

Quão conformados somos? No desespero acreditamos na imaginação. Platônico, feliz, divino. Esse é o título da nossa canção. Somos tristes, por que não? Buscamos no passado felicidades estragadas, e buscamos no futuro felicidades renovadas. Somos burros de carga da solidão, tristeza, e imaginação. Alguns são otimistas, idéia essa desprezível. Se um sorriso nem sempre é sinônimo de felicidade, como uma lágrima pode sugerir o contrário? Somos crianças com pernas esticadas, mas o medo é sempre o mesmo.

Queremos devorar, a qualquer custo, a felicidade, isso porque a tristeza é nossa fome.  O que podemos fazer? Não é inato, é empírico. É a condição humana. Não éramos felizes e não sabíamos, somos  tristes e não aceitamos. Seu futuro é uma angústia, não um destino. Seu passado uma saudade. Seu presente uma ansiedade quase descontrolada. Isso não é um ensaio pessimista, importante ressaltar. Só quero dizer que você pode aproveitar sua felicidade momentânea, pois, no final, ela será apenas uma amarga saudade.

Por Henrique Guedes

Anúncios